domingo, 11 de agosto de 2013

Aqueles eventos que reúnem um monte de gente que estudou com você e você sai de casa preparada pra passar algumas horas respondendo "e o namorado?" e ver as pessoas agindo como se você não tivesse um emprego e uma vida. Todas as roupas que você experimentou te fizeram parecer infeliz e fracassada. Você não podia ter tentado um vestido? Todo mundo de vestido não parece mais feliz? [não, nem sempre, mas ok] E mesmo assim você escolheu ir de parka.

Um suspiro e vamos.

Mas lá (quase) todo mundo tem assunto. Então a gente fala sobre os nossos empregos. Tem um bebê também e a gente brinca com ele sem que uma diga pra outra "tá treinando?" A gente fala sobre nossos planos de casa nova, sobre comprar uma casa sozinha ou alugar. Sobre financiamento. A gente fala sobre o carro que uma de nós negociou, comprou e pagou sozinha. Menos cinco mil do preço final e tapetes de brinde. A gente pede o currículo uma da outra, porque abriu uma vaga no meu departamento. Cada vez mais parecidas com as nossas mães, de uma maneira estranha. A gente fala sobre nossos fios brancos, o que você tá fazendo pra esconder? E todo mundo tá arrancando por enquanto mesmo, apesar do medo de ficar careca ou de arrancar um e nascerem dois. A gente fala sobre como nosso metabolismo está mudando e a gente pode sentir isso e de como nenhuma de nós pode viver sem uma atividade física. A gente compartilha ali mesmo pelo celular nossa planilha de planejamento financeiro. Pra onde vocês vão nas próximas férias?

Às vezes um abraço não precisa ser um abraço de verdade. Um abraço no meio de um mundo cheio de "mas você sabe que óvulo envelhece, né?" As tias desesperadas. As casadas consoladoras. As grávidas incentivadoras. "Você vai achar alguém." A mãe que não fala disso porque acha que você é do contra e a melhor maneira de fazer com que você tenha filhos é fingindo que a sua decisão de não ter é a sua decisão de não ter e ela acha ok você decidir nunca ter filhos, então ela não fala disso, porque se ela mostrar que acha que você deve ter filhos aí é que você nunca vai querer mesmo e ela nunca terá netos. A mãe, eu poderia ter parado aí. Um mundo de gente esperando, te consolando, torcendo. Ninguém pergunta o que você quer.

E de repente ali, um abraço.

18 comentários:

  1. toma aqui o meu abraço. sei exatamente como vc se sente.

    ResponderExcluir
  2. Outro abraço, por aqui é igual.

    :)

    ResponderExcluir
  3. Gente! Onde vc encontrou essas amigas com assunto?
    Posso ser amiga de vcs tb? Hahaha
    Beijos Lila

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha, essas nem eram bem minhas amigas, eram amigas de uma amiga.

      mas todos os meus amigos têm muito assunto, eu garanto. =)

      Excluir
  4. Esse post me deu uma vontade enorme de chorar...

    ResponderExcluir
  5. é bom ser positivamente surpreendida. eu não sei, mas eu acho q essa geração já tem mesmo uma outra visão de vida, onde casar e ter filhos não é prioridade, não é obrigação. é simplesmente mais uma decisão, mais uma escolha, sim ou não. estranho mesmo hj seria se vc não tivesse um celular com internet, bluetooth ou algo assim. rs. ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu não acho... eu acho que ainda é muito estranho dizer isso. a reação é quase sempre negativa quando eu digo ou vejo alguém dizer que não quer ter filhos.

      Excluir
  6. *abraça*
    ... dia virá em que o carinho se apresente na forma de compreensão do seu bem estar sem que o meu seja a régua do seu.

    Porque sapatos causam bem estar... mas não são o bem estar em si. Então eu posso te emprestar os meus.

    Mas você dará os seus paços... com seus pés.

    ResponderExcluir
  7. Identificação, vontade de chorar, de te dar um abraço e de ter amigas assim. É bem isso: cobrança e desrespeito com quem decide por (ou a vida levou a) caminhos que não só são diferentes do considerado "normal", mas que por vezes também desafiam a escolha do outro: "eu poderia ter seguido por outra estrada se eu soubesse disso antes".

    Obrigada por esse texto. Também quero um abraço.

    ResponderExcluir
  8. Eu lembrei da minha mae, que me diz toda a semana que os ovulos envelhecem...

    ResponderExcluir
  9. "Um mundo de gente esperando, te consolando, torcendo."
    no dia em que li senti vontade de chorar também, como disse a Daniela no comentário acima. porque essa cobrança está cada vez mais comum, e vem de todos os lados, como se as pessoas tivessem o direito de ditar as normas da vida de quem quer que seja. e é ainda pior quando certas frases saem da boca das pessoas que nos são mais caras, como amigas e mãe.
    e o mais triste é que tem gente na casa dos 30 anos que pensa seriamente que casar e ter filhos são condições sine qua non para ser feliz. ter uma vida, um emprego, viajar, adquirir cultura, nada disso importa se você for "sozinha". sério, isso é deprimente e de uma crueldade sem fim.
    que bom que do meio de tudo isso saiu um abraço.
    "Ninguém pergunta o que você quer."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é verdade.

      eu também sinto que há muita cobrança. por mais que as pessoas busquem outras maneiras de viver. ainda há muita cobrança e ela muitas vezes não vem na forma de bronca, vem na forma de preocupação. é pelo nosso bem estar.

      Excluir