quinta-feira, 3 de maio de 2012

Passar a vida me desculpando.


Desculpa, não te liguei. Desculpa, não falei direito com você quando te vi por acaso na rua. Desculpa, hoje não dá. Desculpa, não tenho vontade de sair de casa. Desculpa, não tenho ânimo. Desculpa, eu como pouco mesmo. Desculpa, não quero comer o prato que você fez pra mim. Desculpa, não vai dar pra te acompanhar. Desculpa, não encosta em mim hoje. Desculpa, nada do que você fizer vai melhorar o meu dia. Desculpa se eu estraguei o seu dia. Desculpa se não estou como você esperava. Desculpa não ser a mesma pessoa de quando você me conheceu, eu tava bem naquele dia. Desculpa se eu estou triste desde os 15 anos de idade. Desculpa se eu não achei graça na piada. Desculpa se eu não gosto dessa banda que você me mostrou. Desculpa, não gostei do filme. Desculpa por não ser boa companhia. Desculpa se eu não vou fazer o que eu tinha combinado.

Sei bem.

38 comentários:

  1. Me identifico muito com você lendo seu blog. Eu também me desculpo, me desculpo e desculpo. Estou com o post de 10 de março na cabeça, tentando entende-lo até agora. Talvez ainda não tenha entendido porque não sei nadar e porque a depressão me abateu. Estou perdida no meio de alguma onda, minha cabeça não raciocina. Acontece com você? Alguém vem te perguntar algo e você simplesmente não consegue elaborar a resposta porque a cabeça está totalmente confusa? E a insegurança? E a vontade de ficar parada? Tá, isso aqui não é consultório, eu sei.
    Alessandra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alessandra, acho que se isso tudo já está atrapalhando a sua vida, talvez seja hora de procurar ajuda. ;*

      Excluir
  2. Desculpa de ficar pedindo desculpas o tempo todo, mas eu sou assim, meio errante. Meio errada. Desculpa /:

    ResponderExcluir
  3. só deveria pedir desculpa quem tem culpa. se é tão reincidente assim, não há quem vai desculpar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. muitas coisas deveriam acontecer de outra forma, peter. nem sempre elas acontecem.

      a melhor coisa que a gente pode fazer é se libertar das nossas verdades.

      Excluir
  4. Senhor!!! Acompanho o blog há séculos e fiz pouquissimos comentários até hoje. Mas este post merece. E infelizmente não é pelas melhores razões! POr vezes há uma diferença entre estar deprimida e gostar de estar triste. Eu tb acho que, por vezes, a tristeza, melancolia, etc... tem o seu encanto e deixo-a tirar férias em mim. Mas nunca fazer da minha pessoa residência fixa. Não gostei nada do post. Não gostei nada da atitude «sou triste desde os 15 anos». Ninguém É triste. As pessoas ESTÃO tristes. É uma fase, um momento. Ser alegre pode parecer trabalhoso, mas na verdade a tristeza exige muito mais de nós do que a alegria. E sim, felicidade é um exercício. Diário. É contrariar cada pensamento que nos assalta. É jogar no lixo cada gesto que nos põe pra baixo. Chorar de conchinha é bom? É sim. Mas rir ás gargalhadas tem que ser muito melhor. Ser triste ajuda no estilo intelectual blazé, isso tudo é tão cliché? Sim, ajuda. Mas alegria combina com tudo: calça jeans, mini saia, blazer, vestido às bolinhas e salto alto. Come rapariga! Escancara um sorriso pra vida! Grita, pula. Tira o pijama, arrasa no salto. Carrega no batom, abusa do verniz, já dizia o Rui Veloso. Areebenta a escala. É que tristeza em demasia cansa as pessoas. Cansa a gente. Consome o nosso imenso potencial de ir muito mais além. Rasga os teus ventrículos todos, põe pra fora cada artéria, mas nunca numa atitude derrostista. Erre mais. Erre melhor. É que esta vida é tão pequenina, somos tão pequeninos... que a única chance que temos de fazer com que isto valha a pena é abrindo o peito. A gente se machuca, mas é uma dor que dá gosto de ter, essa de viver.

    Beijo e nariz pro ar sempre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi!

      Eu quero começar dizendo que entendo que a sua intenção foi boa. Entendi desde a primeira vez que eu li seu comentário. É a mesma coisa que eu ouço desde os 15 anos e, acredite, não me fez bem ouvir na primeira vez e nem nos milhões de vezes que ouvi isso depois. E nem quando ouço ainda hoje.

      Ninguém diria para uma pessoa com pneumonia "levanta dessa coisa, finge que não tem nada de errado com os seus pulmões e vai ser saudável." ou pra alguém que quebrou a perna "o que é isso? dá uns pulinhos que você fica bem." Porque a gente sabe que não é possível. A gente está vendo que não é possível.

      Depressão pode ser invisível e dá essa ilusão de que a gente está triste porque quer, mas não está.

      É muito diferente de chorar por um motivo qualquer ou mesmo chorar pra colocar as frustrações pra fora.

      Eu acredito em escolhas, faço análise há muitos anos como tratamento para a minha depressão e entendo que nem toda escolha é consciente e racional. A vida é feita de escolhas, sim, mas nem sempre temos controle sobre elas. Com a análise, acho possível conseguir um entendimento e controle maiores sobre nossas escolhas, mas nunca totais.

      Eu acho que às vezes é mesmo muito difícil entender por que alguém é tão diferente de nós. Em algumas situações, é muito difícil se colocar na lugar do outro.

      A melhor coisa que a gente pode fazer por quem não se consegue entender é aceitar e deixar ser. Só isso. =)

      Excluir
  5. Super entendendo o seu post. Super!

    Um abraço pra vc. [o]

    ResponderExcluir
  6. Desculpa se eu existo. Só falta a gente falar isso para as pessoas. Sentimento de culpa dói tanto, mas tanto.

    ResponderExcluir
  7. Desculpa se mesmo fazendo as coisas sempre do jeito contrário ao que você gostaria ou esperaria ou seria lógico, eu não me desculpo. Eu sou assim. Fazer o que, né?

    ResponderExcluir
  8. Peço tanta desculpa que já virou uma expressão do meu vocábulo... quem começa a me conhecer não entende nada... mas acabam se acostumando... entendendo, nunca vi.
    Sei bem.

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Me fez lembrar: "já que, como sabemos, não é preciso ter culpa para ser-se culpado".

    ResponderExcluir
  11. Eu já acho que talvez eu peça desculpas de menos...

    ResponderExcluir
  12. Sei bem o que é isso! Sou casada a 28 anos com um homem que sofre de depressão e sindrome do pânico.
    Ele já nem pede mais desculpas. Também não desculpo mais! Cansei de fazê-lo sofrer em ter q pedir desculpas. A gente vai levando!

    ResponderExcluir
  13. Oi, Renata!
    Primeira vez que comento aqui, apesar de te ler já há algum tempo. Conheci seu blog fuçando nos links do blog da Lola e adorei, desde então venho sempre aqui te ler.
    Eu te entendo bem. Eu também peço muitas desculpas. Talvez porque sejam tantas culpas que já nem ligue mais de assumir mais algumas. Como se eu sempre pensasse que devo ser eu a errada. Às vezes a gente diz desculpas por carregar culpas, outras vezes só porque está desanimada demais para atribuir as culpas aos seus verdadeiros donos, outras vezes só porque está triste demais para pensar em outro culpado que não nós mesmos...
    Mas o que eu queria te dizer era: Te entendo.

    Beijos e muita força,

    Nina


    Em tempo: Eu queria dizer para o Anônimo de 4 de maio de 2012 às 13:13, que não é assim. Não é simples, e tristeza não é sempre opção (aliás, tristeza dificilmente é opção). Falar para alguém passar batom e colocar salto não resolve nada, e culpar a pessoa pela tristeza que ela sente resolve menos ainda. Sei lá, não quero ser chata já no meu primeiro comentário, mas quem não conhece nem estuda o assunto não devia tecer comentários como esse. Não diminua a dor dos outros. Eu sou psicóloga e te garanto: Não é fácil nem simples.

    ResponderExcluir
  14. Eis minha vida.

    Desculpa, midentifico

    ResponderExcluir
  15. Mas pessoal, de onde que saiu esse comentário anônimo que mais parece o texto "use filtro solar" misturado com comercial do Itaú?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saiu da vontade de abraçar a renata com palavras. Saiu da vontade em vê-la escrever e viver coisas bonitas e alegres. Saiu do carinho que se sente por uma pessoa que não vimos, mas acompanhamos há muito, mesmo que seja pelo blog. Saiu cheio de boas intenções, mas que, pelos vistos, não foram minimamente entendidas.

      Saiu de Portugal e atravessou o Atlântico na esperança de fazê-la arrebitar e carregar no eyeliner e divertir-se com os seus alunos. De implicar com o irmão e soltar umas boas gargalhadas. De deliciar-se com os quitutes maravilhosos e já famosos da sua mãe. E de mimar a Hanna.

      Realmente, eu podia ter dito que compreendo. Que por vezes tb sou assim. Podia ter dito que hoje mesmo, fartei-me de chorar só porque a unha de gel não ficou bem feita. Vim pra casa e chorei até não poder mais. A unha de gel foi um escape. Para muitas coisas.

      Mas eu só disse aquilo que gostaria que me dissessem e que, quando o dizem, fazem-me sentir bem melhor. Fazem-me acreditar que as pessoas se importam e que gostam de mim e que tem tanto carinho que só me desejam o melhor.

      Mas lá está, fazendo jus ao post, peço desculpa por não me ter explicado da maneira que gostaria e pelo abraço não ter sido sentido como era suposto.

      Excluir
    2. Cami, seus comentários são daqueles que eu vejo por e-mail e não preciso clicar no link do perfil pra saber que são seus! <3

      consigo ouvir até você falando.

      Excluir
  16. Anonimo, seu comentario foi o maximo!! Eu entendi e vi o carinho com que voce o escreveu. Nem todo mundo vai entender, mas espero que ajude outras pessoas, tambem.
    beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é o que ninguém que tem depressão quer ouvir, eu posso garantir.

      Pedir pra uma pessoa deprimida ficar feliz não ajuda em nada.

      A intenção pode ser boa, mas machuca demais.

      Excluir
  17. Pára de pedir desculpa e começa a dizer mais "Foda-se". Dá uma paz de espírito...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tenho um grande problema com o foda-se. não sai de jeito nenhum. ;/

      Excluir
  18. Minha querida, (permita-me chamar-te assim)...

    Empatia não tem explicação. E sinto isso por ti. Por isso, cá vai um abraço bem sentido com a vontade de que apenas "sejas" e com o pedido de desculpas por ter-te machucado, ainda que sem intenção.
    Um beijinho grande.

    ResponderExcluir