terça-feira, 22 de março de 2011

Foi-se o tempo em que eu chorava em público e alguém vinha me acudir perguntando se tava tudo bem e se eu precisava de alguma coisa.

Foi-se o tempo.

Agora choro em público, fico com os olhos vermelhos e inchados, um pouco desorientada e tenho que escutar:

-O que é isso, garota? Tá drogada?

11 comentários:

  1. É, Renata, o mundo tá ficando esse lugar cada vez mais agradável. Dá gosto, né. Uma coisa.

    Bj.

    Fique bem. ;-)

    ResponderExcluir
  2. Parece que com o tempo, isso vai acontecendo...
    E ninguém se importa...
    Nem os mais póximos...

    ResponderExcluir
  3. Eu gosto do que vc escreve porque me identifico muito.
    E isso que vc escreveu aconteceu hoje comigo. ( bem,não perguntaram se eu tava drogada. Mas quase...).
    O que sei é que, na maioria das vezes, me vejo no que vc escreve, e por alguns instantes, me sinto menos sozinha no mundo...
    xero, com muito carinho.

    ResponderExcluir
  4. Oi Renata..

    É verdade..hj em dia as pessoas estão cada vez mais distantes umas das outras ( literalmente..rs.. )
    Mas olha só..outro dia ( faz tempo já..rs.. ) vi uma pessoa chorando e fui oferecer água, tentando acalmar e tal..e tipo assim ela foi suuuuper grossa comigo e reclamou que não podia nem chorar em paz e mandou eu cuidar da minha vida.. ha ha ha.. #FatoReal
    Então, as vezes a pessoa já levou uma patada e tem medo de levar outra.!Afinal gato escaldado tem medo de água quente .!rs

    Um Bejo

    ResponderExcluir
  5. uma vez eu chorei no ônibus e o cobrador me deu um picolé. \o/ nem tudo está perdido afinal.

    ResponderExcluir
  6. Huahauahau é...tristes tempos...

    ResponderExcluir
  7. Pelo menos vc não é parada pela pólicia e perguntam se vc fumou maconha ou tem algum tipo de droga aí...E o taxista ainda responde q ele tb não tinha nada. óh deus...

    ResponderExcluir
  8. Eu invariavelmente saio da terapia com os olhos brilhando no tom vermelho-conjuntivite. E a recepcionista do prédio invariavelmente me olhava com cara de "de novo?". OlhaVA. Até o dia em que, ao não conseguir passar pela catraca de saída do prédio, funguei alto e chorei alto e reclamei alto.
    "(mimimi)... e até a catraca me detesta e meu carro tá longe e vai todo mundo olhar para a minha cara na rua e eu nem tenho óculos de sol aqui e...(/mimimi)"
    Kelly (a recepcionista) veio até mim com um alpino em mãos. Liberou a minha passagem e falou "Gata, você é diva. Divas não precisam de óculos de sol; elas podem chorar em público o quanto quiserem."
    Desde então, venho ensaiando o dia em que aparecerei na terapia com um olhão bem preto, à base de quilos de rímel e kajal, e chorarei horrores enquanto escorrego porta abaixo!

    ResponderExcluir
  9. Oi Renata!!! Muito obrigado pela resposta viu?

    Quanto a este post, INFELIZMENTE, foi-se o tempo também em que eu iria perguntar se a pessoa estava passando mal, se precisa de uma ajuda, agora eu vejo uma pessoa neste estado e a primeira coisa que me vem à cabeça é que pode ser um golpe, principalmente aqui na região do Higienópolis, hj mesmo vi um cara que se finge de americano e fica tentando conseguir um dinheiro fácil, aqui tem também uma senhora que fala que veio trabalhar de doméstica e a patroa a expulsou sem dar o dinheiro da passagem de volta (ela já contou essa história pra mim umas três vezes e na primeira quase caí).

    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Ai, eu tenho muito medo de estar chorando na rua e alguém me perguntar se eu estou bem. Porque, né, vou ter que mentir. Não vou poder falar que estou chorando porque o ônibus demorou, ou porque meu sapato não combina com a minha roupa. Vou inventar uma história trágica, do tipo "perdi meu bebê" e a pessoa vai ficar com pena, e eu vou ficar culpada, e vai ser horrível.

    ResponderExcluir
  11. Rita, >.<

    Ellen, é verdade. mas com os mais próximos eu até entendo, sabe? é um saco mesmo ver a pessoa chorando MAIS UMA VEZ!

    mas desconhecidos chorando em público sempre amolecem meu coração...

    :*

    sahhsantos, ai, tadinha!

    Nina, ai, nunca ganhei nem uma bala.

    Raiza, :(

    Natasha, hahahaha

    Dri, hahahahaha, ai, uma vez, saindo da terapia, o porteiro do prédio me deu um beijo na testa e disse "vai ficar tudo bem." <3

    O coruja, ai, outro dia minha prima foi comprar bala de um "vendedor" e foi assaltada por ele, então sei como é.

    Mariana, hahahahaha, é verdade. "tô chorando porque não para de ventar, tá bagunçando meu cabelo!" não dá...

    ResponderExcluir