domingo, 22 de setembro de 2013

Eu pensei em te ligar e dizer alguma coisa, mas nós nunca fomos assim. Eu nem sei o que eu diria depois de alô e você com certeza não saberia o que responder quando eu te perguntasse se era verdade. É claro que era verdade, se eu vi as fotos. A sua mesa de cabeceira, o copo d’água sempre lá. O livro que eu te dei estava lá? Eu não consegui ver pela foto. Ele estava lá? Os livros que eu te dei, você leu? As dedicatórias que eu escrevi, você entendeu? Eles estavam na sua mesa de cabeceira enquanto ela estava lá, tirando fotos dela? Meus livros estavam lá? Seus livros. Você leu os livros que eu te dei? Sua vitrola, ela também tirou uma foto da sua vitrola. Esperta ela, boba eu, que nunca tirei uma foto de nada. Tão legal aquele Mickey na sua mesa e eu nunca tirei uma foto. Sua lâmpada think e eu nunca tirei uma foto. Sua estante, eu nunca tirei uma foto. E sua vitrola. Ela tirou uma foto da sua vitrola. O disco que tocava não era o que eu te dei no seu aniversário do ano retrasado, mas eu me pergunto mesmo assim, será que você tocou esse disco para ela? Um disco nota 10 na Pitchfork. Um disco que veio da Alemanha. Eu sinto vontade de jogar uma coisa pesada em você, só de pensar que ela pode ter escutado o disco que eu te dei, um disco nota 10 na Pitchfork, um disco que veio da Alemanha. Mas eu não quero levantar de onde estou sentada para pegar uma coisa pesada e você nem está aqui.

14 comentários:

  1. Renata,

    Encontrei seu blog por acaso, por indicação em um blog futil da vida.. Hj senti a necessidade de dizer o quanto é bom ler textos de alguem que tem a coragem de expor seus sentimentos profundos sem pudor. Me identifico muito. Obrigada. É uma lavagem de alma ler isso aqui!

    ResponderExcluir
  2. Vontade de jogar alguma coisa pesada por você. Por mim. Por todas nós que acordamos tarde demais nessas situações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o bom é com o tempo a vontade passa =)

      Excluir
  3. Você escreve tão bem o que eu sinto...como você consegue? Que aperto no peito...

    ResponderExcluir
  4. Doeu mesmo. Me lembrou a música 'besteira acreditar' de Harmada.
    :~

    ResponderExcluir
  5. Muito bom, Renata! Nao lembro mais como achei seu blog, mas estou adorando ler seus textos! Bjos

    ResponderExcluir
  6. Eu ia só comentar sobre a coincidência de ter me acontecido algo bem parecido esses dias e vejo o nome da Harmada nos comentários. Caiu uma lagriminha, sabe. ♥

    ResponderExcluir