quarta-feira, 28 de fevereiro de 2007

E chega ao fim o meu mês preferido.
Um suspiro por fevereiro.

Ah, se todos os meses fossem como você...

Tava acontecendo essa coisa de eu sair de casa achando que tava bem, me olhar no espelho do banheiro do trabalho e notar que tava menos magra do que tinha achado quando escolhi aquela roupa.

Então hoje eu tomei coragem e consertei a posição do espelho do meu quarto. E tavam lá uns dois quilos a mais. O meu espelho amigo resolveu concordar com o espelho do trabalho.

Hoje morreu um pedacinho de mim.

Hoje minha mãe me acordou às 7 da madrugada pra perguntar o que eu tinha feito com o rolinho que tira bolinhas da roupa.

Cara, o que eu posso ter feito? Tirei do lugar, passei na minha roupa e não levei de volta ao lugar dele. Não é óbvio isso? Não é isso que eu faço?

Então tive que levantar pra pegar o rolinho, que tava na minha mesa. Bem à vista, embaixo de três livros, da bolsa da câmera fotográfica, da minha carteira, do saco de balas de tamarindo e da caixa de bombons.

Às 7 horas eu não quero nada da vida. Só quero que todos vão estudarrr arrrte em Amsterrrdam e morarrr na casa barrrco...

Gente, não dá, não dá. Eu não consigo levar a novela a sério.
A Marta fica doida e fala "vão todos estudar arrrte em Amsterrrdaaaam, morarrr na casa barrrco!!"

Eu não consigo parar de rir, cheguei a ficar com falta de ar na hora. Acho que nunca mais vou conseguir falar outra coisa na vida, só repetir essa frase. Eu já tenho um fraco por rrr, não tem como resistir.

eu decidi assistir à última semana da novela alcoolizada, né? gente, eu acho que descobri o segredo. fica tudo muito engraçado.

hahahaha, acabei de ouvir uma menina fazendo propaganda de um travesseiro dizendo que ele é anti-higiênico.

As linhas devem estar ocupadas com todos os imundos do Brasil querendo o tal travesseiro.

terça-feira, 27 de fevereiro de 2007

Duas coisas me fizeram chorar de rir hoje.
Esse post no Rainhas do Lar com um vídeo da Graziella Moretto imitando a Palmirinha.

E esse post da Fal recontando a novela.

Só não rolei no chão de tanto rir porque eu tenho o maior nojo de chão. Chão não que a minha roupa tá limpinha.










1 e 2: O melhor divórcio ev.er. Esqueça o formato bizarro do rosto, esqueça a chatice e aquela vozinha nheinheinheim. Desde que se separou, ela nunca mais apareceu com cara de boba e aqueles vestidos e penteados de vó. Quando você viu a Reese linda assim ao lado do Ryan Phillippe? Nun-ca.
3: A pior separação. Gente, canelas de fora é um no-no! E por que ela nunca penteia o cabelo? O que custa passar um pente antes de sair de casa? Por que não consegue manter a boca fechada?
4: Hohoho, não tem explicação. Se bem que a Penelope Cruz já namorou o Tom Cruise, isso deve explicar muita coisa.
5: Esses quadris vão dominar o mundo. Tenham muito medo de Beyoncé. Ela nunca tá com uma roupa bonita. Como é possível? Assim como a Cameron Diaz não consegue manter a boca fechada, a Beyoncé não consegue usar um vestido que não mostre os coxões.
6: Eu adoro odiar a Jennifer Lopez. Ela é a mais cruel com aquelas peles todas. Então, é um alívio quando ela resolve se acabar sozinha. Quem tem quadril largo tem que se conformar, não dá pra usar um vestido que usa uns 15 metros de tecido e ainda parecer magra. Não dá. Fica parecendo capinha de botijão de gás.
7: O que eu não entendo é por que qualquer pessoa gostaria de usar uma roupa com plumas/penas. Por quê? Plumas/penas = porquice. Eu só me lembro de quando era criança e brincava de peteca. Que cheiro estranho aquilo tinha.
8: Você é indicada, todo mundo diz que é uma das favoritas. Então por que escolheria esse bolerinho (nãããão, nuncaaa!) e um vestido com bolsos? O que você pretende guardar ali? Identidade, cartão de crédito, o quê? Se você acha que não vai saber o que fazer com as mãos, vá com uma bolsa linda.
9: Acho que a Kate Winslet pra mim já tá acima de qualquer coisa. Eu acho sempre linda.
10: A melhor gravidez. Tem menos de 5 meses que a filha dela nasceu. Praticamente uma Angélica com mais talento.
11: Olha que linda a Gwyneth. Parece que tava flutuando.
12: Hohohoho, de que tumba a Eva Green escapou? Alguém lembra como ela era uma gracinha, ou só eu? Tá parecendo uma das gêmeas Olsen com essa maquiagem de olho.
13: A família mais fofa da festa. A Jada e o Will tão sempre lindos. O filho é um fofo, deviam lançar uma versão em pelúcia pra todo mundo ter um.
14: Cara, não é legal usar nada que a sua avó usaria com um casaquinho por cima. A pessoa fez O Diabo Veste Prada e não aprendeu na-da?
15: Lembra quando a Nicole Kidman era linda? O que ela fez com o próprio rosto? É muito botox, muito. Eu sinto que se fizer um furinho alguma coisa vai esguichar.
16: Sem estar fantasiado de Borat é outra coisa, né?

Eu fui assaltada uma vez e fiquei um tempo meio maluca, né? Não maluca de atacar pessoas na rua nem nada, mas eu fiquei assim meio maluca de medo. E achava que seria assaltada a qualquer momento.

Naquela época eu não usava lentes de contato. Eu tava tão maluca, que quando achava que seria assaltada, eu pensava "Ai, vão me assaltaaar. Vão levar meus óculos. Meus óculos são a única coisa de valor que eu tenho! Meudeusss, como eu vou voltar pra casa?"

Quando eu voltei a ter apenas um leve grau de maluquice, lembrava disso e ficava espantada com a loucura de imaginar que o ladrão ia ter noção de quanto custava minha armação (que não é tão cara assim, a_pobre que eu sou) e roubar meus óculos.

Mas, olha, depois de ver aquele episódio de Sex and the City em que roubam os Manolos da Carrie*...


*acho que aquilo me chocou mais do que todas as babaquices dos homens na série. roubar sapatosss

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2007

Eu nunca consigo ficar quieta quando xingam um tradutor por causa de um título tipo "férias do barulho" ou o Memento que virou Amnésia e tal. Sempre abro meu bocão pra explicar que a culpa não é do tradutor. Não é a gente que dá nome pro filme. Algumas vezes o título já vem pronto. Eu juro que Gilmore Girls não virou Tal Mãe, Tal Filha por minha causa. JURO que isso não foi obra da minha mente perturbada.

Só que às vezes pedem a opinião do tradutor, uma sugestão de título e tal. E aí, aí, cara, é que a gente vê que não dá pra misturar as coisas. Tradução é pra tradutor. Título... olha, não sei pra quem é, só sei que pra mim não é.

Porque pensar em títulos com a expressão "de outro mundo" só me faz desprezar a mim mesma.

-Vou comprar aquele creme anticelulite. Sabe qual é? Eu vou comprar.
-Iiih, vai jogar dinheiro fora. Isso é uma enganação, não gasta com isso, porque não adianta de nada.

Cara, eu já tenho TÃO POUCO, por que querem me tirar a esperança também? Eu não tenho direito nem a SONHAR?

Tem uma amiga dos meus pais que se chama Ana. Ela odeia a gente ter decidido chamar a Hannah de Hannah. Porque quando a gente chama Hannah, a Ana olha.

Ela adotou um gatinho e resolveu chamar de Jorge, que é o nome do meu pai.


é o meu tipo de pessoa quem faz isso...

irritando Renata

Tem o programa da Fernan.da Young. E nessa temporada tem uma parte em que ela cita coisas e o convidado deve dizer se a coisa irrita "paca, pouco ou picas".

Só sei que eu me irrito PACA, porque eles não acertam. Os convidados não entendem as palavras, falam tudo errado!

E eu fico aqui ouvindo eles dizerem que sei-lá-o-que irrita pacas e aquela-outra-coisa-lá irrita pica.
Amigow, escuta antes de falar! Presta atenção...

Tem um rapaz ligando a cobrar aqui pra casa. Acho que deve ser pra tentar me arrancar algum dinheiro me ameaçando, não sei. Não tenho dinheiro, moço. Quer que eu venda meus sapatos? Nunca, nunca. Eu já expliquei isso. Já chamei de palhaço. Já falei altos palavrões. Eu sou muito campeã em não deixar as pessoas falarem. Até agora ele não conseguiu falar nada, tô ficando com pena. Mais um pouco e eu abro meu coração.

Agora já perdi a paciência, não atendo mais. Vejo que é ligação a cobrar e desligo. O que eu não entendo é apenas uma coisa: se ele quer tanto assim me extorquir, por que insiste em ligar a cobrar se sabe que eu não vou atender? Meudeus, pão-durice tem limite. Se você quer me tomar um dinheiro, tenha a decência de não cobrar a ligação.

Vi tantas vezes a palavra thriller no arquivo, que depois de uma certa hora (eu tô há três dias nisso, cara) ficou impossível não cantar:
'Cause this is thriller, thriller night
And no one's gonna save you from the beast about to
strike

Toda vez que a palavra aparece. Todavez. Balanço a cabeça e tudo. A moça que cuida da minha cabecinha viajou, ninguém pode me ajudar.
...
hohohoho, tem uns vestidos pavorosos no Oscar. É só pra eu não trabalhar, só pra isso. Elas pensaram "vamos escolher os vestidos mais bizarros, assim a Renata não se concentra."

sábado, 24 de fevereiro de 2007

Eu tava com problemas, preocupada com algumas coisas, meio sem saber o que fazer. Já tem um tempo. Essa semana pensei "foda-se, não posso fazer nada." e fui ao cinema. Pensei em ficar 2 horas sem pensar nos problemas. Quase deu certo. No final do filme eu pensei "nossa, fiquei quase o filme todo sem me preocupar com o que eu posso e não posso fazer."

Quando eu cheguei em casa, as coisas meio que tinham se resolvido. Sozinhas, gente, sozinhas. Eu cheguei e tinha uma solução pra minha vida no meu e-mail.

Daí hoje eu tava com a maior dor-de-cotovelo e quis ser esperta e repetir a fórmula. Pensei "foda-se, não posso fazer mais nada." e comprei uma sandália linda. Eu sei que não mereço muitas coisas, mas tenho certeza que sapatos lindos eu mereço.

Quando cheguei em casa, nada tinha se resolvido. Mas pelo menos eu tenho uma sandália linda. Cheeeia de cristais.

Hannah ganhando presente da Lola

Olha como a Hannah fica quando ganha presente. Pena que o vídeo ficou muito curtinho. (A pilha acabou)

Ela tava na piscina quando o carteiro entregou, por isso o chão tá todo molhado. O presente era uma bolinha com cheirinho de uva. Ela amou.

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2007

Meu pai foi atender o cara do Sedex.

-É pra Renata?
-Não. É pra... Raná? H-a-n-n-a-h.
-Ah, tá! É pra minha cachorrinha.
-hahahahahahahahahahaha. Não é possível!
...
Chegou um presente pra Hannah. Eu nem sabia que vinha, foi uma surpresa. Ela ficou doida. Adora ganhar presente, não sossega enquanto não rasgar o papel e pegar o que tem dentro.

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2007

-Daqui eu estou sentindo o aroma do vinho. O que pode ser bom, pode ser ruim ou pode ser mais ou menos.

Renato Machado, em Menu Confiança

Se não significa nada, ou se pode significar QUALQUER COISA, pra que mencionar?

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2007

Hannah e a piscina

Hannuca tem uma piscina pra se refrescar nos dias quentes.

o pior de Páginas da Vida

  • Marta vira a grande vilã depois de brigar com a filha que volta grávida da Europa.
A menina tava lá na Holanda, estudando e tendo tudo pago pela mãe, que sustentava a casa sozinha, aqui no Brasil. A menina fica grávida, não conta pra família, e resolve voltar ao Brasil pra ter os filhos. Sem emprego, sem plano de saúde, sem ter concluído o curso que a mãe pagou. A mãe tem um chilique e todo mundo passa a acreditar que a errada da história é a mãe. Que mãe não ficaria do lado de uma filha grávida? Quem é incapaz de se emocionar com o maravilhoso milagre da vida? O pai bonzinho defende a filha. Ele, que não sustenta nem a si mesmo, acha bonito que ela esteja grávida e dá seu apoio (apenas moral, porque o financeiro sobra pra mãe). A filha é tão boa, mas tão boa, que decide dar nomes de santos aos filhos.
  • Sandra é uma vagabunda. Seduziu o filho do patrão e fez um aborto.
Sandra é a filha da empregada, criada como parte da família. Sem direito à herança, mas parte da família mesmo assim. A família até deu à Sandra o direito de morar dentro do casarão, e não na casinha dos empregados, veja que anjos! Sandra e o filho do patrão resolveram fazer sexo quando eram mais novos. Nada de errado nisso, né? Afinal, pra que serve uma empregada gostosa, se não pra trazer cafezinho e iniciar sexualmente o filho do patrão? O problema é que Sandra é uma vagabunda. Não queria só sexo. Queria namorar, casar. Um absurdo. Quando ela fica grávida, faz um aborto. Que vadia. Fez um aborto aos 18 anos. Com certeza família ficaria mais feliz se ela tivesse exigido se casar com o filho do patrão.
  • Tide é um homem bom para os empregados, uma alma iluminada.
Ele toma seu lanchinho na cozinha. Ele exige que as filhas da empregada estudem. Ele paga escola, faculdade, o que for. Ele dá conselhos pra empregada sobre como criar suas filhas. E, se ela não aceita, ele diz "Deixe ela estudar. Você quer ser demitida? Não? Então, faça o que eu estou dizendo." Ele é tão bom, mas tão bom, que usa a autoridade que tem pra educar os pobres que trabalham pra ele. Não importa se ele faz isso ameaçando uma pessoa de demissão. Os fins justificam os meios. Os empregados não são inteligentes o suficiente pra tomar as próprias decisões. Empregado não precisa ter autonomia intelectual com um patrão bom como esse.
  • Apenas pessoas de coração ruim decidem abortar.
Em Páginas da Vida, ao contrário da vida real, fazer um aborto é uma decisão fácil. Nenhuma personagem sofre com essa decisão. Nanda, a grávida sem lenço nem documento, resolve não abortar e vira praticamente uma santa. O que importa se ela mentiu durante meses pra família? Ela não quis abortar, deve ser um anjo que veio parar por engano aqui. Alice, a noiva megera, anuncia a quem tiver ouvidos para ouvir, que fez um aborto. E não se arrepende. Nenhum sofrimento por ter tomado uma decisão difícil como essa é mostrado. Se Alice fez um aborto e não se arrepende, ela é má. E não merece o Léo, que é bom, apesar de ter abandonado a namorada grávida depois que ela se negou a fazer o aborto que ele queria. Agora ele é bom, aborto nunca mais. Sandra fez um aborto. O patrão descobre. Apesar de não ter nada com isso, ele resolve se meter onde nunca foi chamado. Reúne Jorge, o responsável pela gravidez de Sandra e os pais dela. Conta a eles que Sandra fez um aborto, mesmo isso tendo acontecido quando ela já tinha 18 anos. A história do aborto aconteceu há uns 47 anos, mas o patrão faz Jorge pedir perdão. Não a Sandra, Sandra não tem caráter pra perdoar ninguém. Ele faz Jorge pedir perdão aos pais de Sandra, que também não tinham nada a ver com a história, mas foram parar ali provavelmente por medo de demissão.
  • Simone x Thelminha: a mulher ideal para Jorge.
Jorge conheceu Simone no começo da novela. Os dois perderam contato. Cinco anos depois, eles se reencontraram. Mas o amor continuava lá. Simone é moderna, usa pomada no cabelo curtinho, mora sozinha, não gosta de namorado grudento, acha que eles têm que ir com calma no relacionamento. Jorge está apaixonado, quer casar. Ele acha que Simone é a mulher ideal para ele. Até que Simone resolve sair do Brasil por seis meses a trabalho. Jorge, coitadinho, não agüenta ficar longe de Simone por seis meses. E, mesmo sendo rico, ele nem cogita a possibilidade de namorar à distância por seis meses. Jorge precisa de uma mulher ao lado dele o tempo todo. É quando ele começa a notar Thelminha. Reparou que a Simone é Simone e a Thelma é Thelminha, né? Thelminha é irmã de Sandra, ao contrário da irmã, é a filha boa da empregada. Ela não quer ser parte da família, só quer estudar e trabalhar. Ela passa a servir à família de Tide, mesmo que nunca se tenha mencionado assinar carteira e direitos trabalhistas. De acordo com o que o telespectador sabe, Thelminha é uma escrava. Trabalha em troca de casa e comida. Thelminha sabe cozinhar, mora com os pais e, claro, é virgem. Quando ela se oferece a Jorge, ele recusa. Ela não merece uma desonra desse tipo. Sexo com Thelminha, só depois do casamento. Com Simone, a mulher independente que trabalha, ele achava normal fazer sexo. Com Thelminha, ele precisa de uma bênção do Papa. Simone, a personagem com o cabelo mais legal da novela, vai terminar a novela sozinha, casada com o trabalho. Que atrevimento, preferir investir no trabalho em vez de largar tudo e casar com Jorge. Thelminha também quer estudar e trabalhar, mas não faz disso uma prioridade, então merece Jorge.
  • Olívia, a cheia de virtudes.
Olívia foi traída pelo marido com a artista apoiada por ela. Olívia fica magoada, acusa o marido de ter sido desleal, diz que nunca exigiu fidelidade, só sinceridade e essa coisa toda. Muito equilibrada, muito profissional, continua trabalhando com Tônia, a amante do marido. Quando o romance de Tônia e Sílvio esfria, Olívia até tenta juntar a própria irmã e Sílvio. Então, Olívia conhece Léo, o canalha disfarçado, e resolve lutar com ele pelo direito à guarda do filho que ele rejeitou há anos. Olívia e Léo se apaixonam. Ou só querem se pegar, isso não ficou muito claro. Como a noiva de Léo é uma megera, Olívia não acha que ela mereça lealdade ou qualquer coisa desse tipo. Viaja com Léo sem culpa, porque quer ser feliz e acha que ele merece ser feliz. Alice, a noiva megera, não pode fazer Léo feliz. Afinal, ela já fez um aborto e é fútil. Léo é um coitado e Olívia é sua salvação.
  • Isabel, a amante por acaso.
Isabel conheceu Renato no casamento dele. Ela se apaixona por ele. É um amor platônico, até que ela descobre que ele também quer se pegar com ela. Renato começa a telefonar para Isabel e aparecer na casa dela. Casou obrigado, porque a namorada estava grávida. Renato é profundo, fotografa sofrimento, miséria, fome. A esposa de Renato não é boa o bastante pra ele. Ela é rica, ela é fútil, ela tem um cabelo sempre lindo. Isso dá a Renato o direito de querer ficar com Isabel, mas nunca se separar. Isabel dá corda, atende os telefonemas, se encontra com Renato. Mas acredita mesmo que não é amante dele. Afinal, nunca houve sexo. Traição só existe quando há sexo, né? Dar corda para o marido da mulher que quis se tornar sua amiga não é traição. O errado é apenas ele. Ela nunca fez nada além de conversar e pensar no quanto seria legal se ele se separasse. Ele nunca fez nada além de reforçar que a esposa é uma chata e fútil, ele é um ser profundo, ele e Isabel merecem ficar juntos. Durante anos ele reforçou isso, mas nunca pensou em ser sincero e se separar.

Acho que Páginas da Vida foi a pior novela que eu já vi. Certamente, a que mais me ofendeu. Eu me senti ofendida em várias situações que a novela apresentava. As personagens más são péssimas, porque são más pelos motivos errados. E as personagens boas também são péssimas porque são boas pelos motivos errados.

Vou fazer uma lista com as piores coisas da novela, na minha humiiilde opinião.

O Manoel Carlos construiu em Páginas da Vida o PIOR personagem masculino que eu já vi. Na vida. É o pior de todos, porque é um canalha disfarçado de bonzinho.

Eu quero quebrar a televisão quando vejo aquele Léo. Teve toda aquela história de ele fugir e deixar a namorada grávida, mas nem é isso o que mais me irrita. O que me irrita é o autor querer que a gente goste dele e ainda finja que não vê que ele é o mais canalha dos canalhas.

Ele tinha uma noiva, a Alice. A Alice é uma chata, fútil, ranzinza. Então, tudo gira em torno de "coitado, a noiva dele é uma chata." Eu sei que é uma coisa que acontece sempre, e eu não consigo não me irritar com isso. Conheço muita gente que vem sempre com esse papinho de que tem pena do fulano porque ele namora uma megera. Palhaçada. Ninguém é obrigado a namorar ninguém. Se a noiva do Léo é uma chata, é só ele terminar com ela. Ele não é vítima por namorar uma mulher chata. Se tem alguma vítima ali, é ela, que é enganada pelo noivo, levada a acreditar que é amada, que é querida e vai casar um dia.

A tal noiva é outra na lista dos personagens mais mal escritos do mundo. Muito disposto a convencer o público que a noiva do Léo é super do mal, o autor faz a menina dizer, em cada conversa que tem com qualquer personagem, que fez um aborto e não se arrepende e é isso aí. Tudo bem o Léo ter exigido que a namorada fizesse um aborto no passado, porque agora ele descobriu a luz e está arrependido. Má é a Alice, que fez um aborto e não se arrepende. Aliás, ela anunciar que fez um aborto é de uma falsidade sem tamanho. Eu conheço algumas mulheres que fizeram aborto. Mas não conheço mulher nenhuma que fale isso pra qualquer pessoa. A tal noiva também gosta de dizer "namorei muito, namorei quem eu quis e blá", uma frase que o Manoel Carlos usa querendo que a gente ache que ela é promíscua simplesmente porque fez sexo quando quis e com quem quis.

Enfim, chegou a hora de terminar o relacionamento. Porque agora o Léo encontrou a mulher ideal, cheia de virtudes. A mulher que acusa o marido de ter sido desleal ao arrumar uma amante, mas que viaja com o Léo, mesmo ele tendo uma noiva. Ela não pode ser traída, é deslealdade, ela não merece isso e tal. Mas ela pode ser a outra, porque, afinal, a noiva do Léo é uma chata e ele merece uma mulher como a Olívia.

E ele vai terminar o relacionamento. Escolhe terminar no escritório, não na casa que divide com a noiva. A menina tá lá, coitada, comendo um queijo-quente e ele resolve terminar o namoro. Mas não foi assim, um término gentil. Quando ela perguntou quando ia ser o casamento (porque é claro que depende do homem marcar uma data), ele respondeu dizendo que "nunca. não vai haver casamento." Que fino, que gentil, que fofo.

O namoro termina com ela humilhada, sendo expulsa pelos seguranças aos gritos do Léo de "Você é louca!"

Não acompanhei a novela durante o carnaval, mas ontem vi que a Alice fez uma fogueira com as coisas do ex-noivo. E a Olívia lá, muito assustada com esse desequilíbrio emocional. Ela não está acostumada com isso. Ela é traída pelo marido com uma amiga, mas não mistura as coisas. Ela entende e ainda quer que a irmã fique com o ex-cunhado. Um completo domínio dos próprios sentimentos.

Só tenho mais uma coisa a dizer: queimou as coisas dele depois de ser expulsa pelos (vários) seguranças? Foi uma dama. Se resolvesse queimar o Léo, eu entenderia perfeitamente.

Socorro! não consigo parar de comer!!

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2007

Eu vou ficar uns dias sem atualizar, então o post é só pra desejar um bom carnaval pra todo mundo.

Boa farra pra quem é de farra.
Bom sossego pra quem é de sossego.

E fiquem com um vídeo da Hannah, que é sempre melhor companhia do que eu.

Eu não poderia deixar vocês sem uma das minhas montagens maravilhosas. É mais forte do que eu.

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2007

Gaah, lembrei da garota louca da escola que se convidou pra vir a minha casa, uma vez. Ela seguia a Luciana, imitava a cor do cabelo e tudo, e a Luciana era muito minha amiga.

Um dia eu marquei de pegar a Lu no curso de Inglês e vir aqui pra casa, estudar, sei lá. Ou era só uma desculpa pra comer o pavê da minha mãe, não me lembro. Quando cheguei lá pra pegar a Lu, tava a louca junto.

Era louca-louca. "Nossa, que pratos bonitos!", "Nossa, que talheres lindos!", "Que copos legais!", "Olha que toalha de mesa bonita!", "Que sabonete cheiroso no banheiro!"

Louca-louca.

Eu soube que ela deu um golpe do baú. Espero que ela mantenha sabonetes muito cheirosos no banheiro e que use o jogo de jantar do casamento no dia-a-dia. Que ela tenha vários jogos de jantar, um pra cada dia da semana. Um branco, um com filete dourado, um com filete prateado, um florido, um listrado, um quadrado. Até um de bolinha, se quiser. E que nunca mais precise vir à minha casa reparar em tudo. ¬¬


cara, discrição, né? quando é bonito, a gente elogia. mas o exagero só vai fazer a dona da casa mandar benzer tudo depois que você sair.
e minha mãe quase morreu de pena. "renata, se ela achou tudo lindo aqui, imagina como deve ser a casa dela." porque aqui é tudo normal. nada de h.stern home.

Minha avó quer ir ao cinema. Eu falei que levaria ela. Ela quer ver dois filmes seguidos, olha o pique da minha avó. No sábado eu falei pra ela que a gente iria na quinta.

Ontem minha mãe me disse pra não marcar cinema com ela hoje, porque minha mãe não quer que ela vá ao shopping e gaste dinheiro. É o que a minha avó faz melhor na vida: gastar dinheiro. Você vê que a gente não escapa da herança genética mesmo. Ambiente não é nada, DNA é tudo. O que eu faço melhor na vida também é isso: gastar dinheiro.

Minha avó não pode ver um cristal. Na casa dela não tem mais onde guardar. Ela sai e volta com um jogo de cálices, no mínimo. Sabe o que ela faz? Manda os cristais antigos pra cá. Jarras que vazam, copos lascados, essas coisas. Ela sempre deixou as crianças usarem coisas boas. Deu nisso, não tem nada. As jarras viram jarros de flores, essas coisas. Aqui em casa, no primeiro prato lascado do jogo de casamento dos meus pais, minha mãe comprou pratos mais modestos, pra gente usar no dia-a-dia. Quando vem alguém, a gente usa os do casamento. Quando é alguém já de casa, usa os pratos de bolinha mesmo. Mas a minha avó não é assim. Eu vou à casa dela, peço água e ela vem me servir numa tacinha. Minha vó é uma fofa, vocês não têm noção.

Mas aí, minha avó tem essa coisa de gastar dinheiro. E minha mãe tem que cobrir as contas dela. Ela compra presentes pra minha mãe, e mamãe tem que pagar as prestações depois. E sabe o que minha vó diz? "Eu faço milagre com dinheiro. Ganho tão pouco, mas dá pra tudo e ainda sobra. Faço milagre."

Sim, fez um milagre há 48 anos chamado Ruth, Filha.

Eu costumava achar que meu pecado era a gula. Mas não é, eu nem como tanto e gosto mais de fazer comida do que de comer. Tem dias em que alguém tem que me alimentar. E tem dias em que eu aviso a minha mãe que "olha, tem uns dias que eu não como, só tomo suco, sanduíche, sei lá. se eu morrer você já sabe, foi falta de comida." Mas eu geralmente faço isso não por acreditar que vou morrer de fome, é mais uma estratégia pra alguém cozinhar pra mim, pra variar. Já que eu fui isolada do cardápio familiar depois de parar de comer carne, né?

Hoje, por exemplo, eu cheguei em casa, ainda me recuperando de um ataque de ira, e vi que tinha purê de batatas. Quentinho. Comi uma tigela. Comfort food elevada à quinta potência, pra mim. Quer dizer, a gula só me ajudou a aplacar a ira.
...
Mais um pouco e eu fico em posição fetal pra nunca mais voltar ao normal.

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2007

Eu chego em casa e tem um rádio, gente, um radinho, enviado como presente de aniversário pelo meu cartão de crédito.

Nem preciso dizer que não funcionou.

Mas mesmo se funcionasse: o que eu faria com um rádio EM FORMA DE CARTÃO DE CRÉDITO que só toca fm?

Obrigada, mas não, obrigada.

Alguns alunos de uma turma super fofa vão ter que trocar de horário, então hoje a gente fez uma festinha de despedida.

A turma levou salgadinhos e eu levei um bolo. Porque precisava terminar de usar aqueles confeitos de coração que tavam sobrando aqui. E hoje é Valentine's Day, né?

Daí tinha um cara lá que faz festas. Tipo 15 anos e casamento, essas festas pras quais você tem que chamar a família inteira, incluindo aquele parente com quem você não fala há 8 anos. Não me perguntem o que ele estava fazendo lá, porque eu já não tenho explicação pras coisas que acontecem no meu trabalho.

E eu acho que as pessoas gostam de curtir com a minha cara, porque ele perguntou:
-Quanto você cobra pra fazer um bolo pra umas 300 pessoas?

Todo mundo junto: hahahahahahahaha.

terça-feira, 13 de fevereiro de 2007

Acordei da minha soneca.

-Ué, minha mãe não tá em casa, pai?
-Não, ela foi ver o silicone daquela amiga dela.

domingo, 11 de fevereiro de 2007

O bolo acabou não dando certo. Não era bolo, era meio uma torta, meio tipo torta holandesa, mas sem ser torta holandesa. Nem vi direito, de tanta raiva que eu fiquei por eles não terem explicado pra minha mãe como era, e também por eu não ter ido até lá antes, pra ver a tal da torta.

Eu de-tes-to torta holandesa. Detesto. Acho pesada, gordurosa. E na maioria das vezes a torta e um monte de manteiga moldada em forma de torta dão no mesmo. É uma torta que nem todo mundo sabe fazer, mas quase todo mundo acha que faz bem. Poucas vezes comi uma que não me deixasse enjoada depois da terceira mordida.

A de ontem eu não sei como estava, não comi. Só olhei pra ela na caixa, depois nunca mais. Com aquele calor de ontem ela teve que ficar escondida na geladeira. Que bom, porque eu ia me irritar cada vez que olhasse pra ela e lembrasse que podia ter pedido bolo de outro lugar.

Disse a minha mãe que estava gostosa e todo mundo comeu. What-ev-er, não quis saber.

Hoje é o primeiro dia do ano pra mim, então resolvi finalmente trazer a bicicleta ergométrica de volta pro meu quarto.

Tava adiando isso há meses, porque por algum motivo achei que ela estivesse no terraço, e só de pensar em descer um lance de escada carregando uma bicicleta ergométrica me fazia suar. Mas nem tava, tava na área de serviço. Todo dia eu vou lá pra passar roupa e tal, mas a imagem da ergométrica com vários sapatos apoiados nela não ficou gravada nas minhas pupilas tão fatigadas.

Daí foi só trazer pro meu quarto, bem mais perto do que do terraço até aqui. Pedalei 40 minutos. Pra ter direito a comer os copinhos de brigadeiro com cereal coberto de chocolate que sobraram de ontem.

Em 2007 este corpo aqui vai se movimentar. Pelo menos mais do que em 2006, o que vai ser fácil.
...
Eu ia escrever ergométrica no celular, parei em "ergo" pra fazer outra coisa. Voltei e ele completou pra "ergonomia". Hahahhaa, não sei quem a Motorola pensa que eu sou. Quem escreveria "ergonomia" numa mensagem de celular?

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2007

Minha mãe acha que eu não posso falar mal do restaurante onde tem criança chorando porque quando eu era pequena era isso que eu fazia. Minha vida era chorar em restaurante. Eu tinha uma vida noturna animadíssima. Meus pais me colocavam numa cesta embaixo da mesa.

Tá?

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2007

Esse calor não existe. Eu tô muito convencida de que ele não é de verdade. Deve ter alguma coisa muito errada na minha cabeça que me faz imaginar que o dia tá quente assim. Esse calor não existe. Eu prefiro aceitar que estou mesmo ficando maluca a achar que moro num lugar capaz de chegar a essa temperatura.

Mas mesmo assim concordei em ir correr com meu irmão. À tarde, quando eu sair do trabalho. Cara, à tarde.

-Eu dou 12 voltas na pista, Renata.
-Hum, tá.

Número de voltas que eu agüento dar sem me jogar no chão achando que vou morrer: 1,5.

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2007

Não é por fazer 24 anos que eu pensei que chegou a hora de finalmente aprender a dirigir. Não.
É porque não dá mais. Eu quero ir trabalhar de salto, mas sei que o ônibus vai demorar a passar. Eu tenho que sair de casa tipo 1 hora antes pra esperar o ônibus e ir pro trabalho, que fica a 15 minutos a pé daqui.

Eu venho adiando essa decisão de aprender a dirigir, porque sou uma pessoa (um pouco) responsável e eu acho que o mundo realmente não precisa de uma pessoa como eu no controle de um carro. Eu achei que daria pra passar a vida de carona. Gente, andar de carona é tão legal. Ligar e chamar um táxi. Pedir, por favor, pro meu pai me levar pra rodoviária. Gente, carona é luz, carona é vida.

Mas quando essa minha decisão de não dirigir começa a me impedir de usar meus sapatos, bom, aí eu sinto muito pelo mundo e por todas as pessoas que vão levar um susto com cada barbeiragem que eu cometer. Peço desculpas antecipadas, mas são meus sapatos ou vocês. E eu escolho meus sapatos.


na verdade, eu acho que não existe muito a possibilidade de eu aprender a dirigir. porque tá bem na cara que eu vou gastar o dinheiro da auto-escola com cremes ou blush. ou com aquela blusa que eu vi no dia do meu aniversário, mas achei decotada demais. e agora, cara, 24 anos, acho que posso usar decote. devo usar enquanto posso.

O presente que a Karina me deu chegou hoje. Obrigada, Karina. ;)
...
-Rafael, o cara do Sedex veio entregar uma coisa, vai lá embaixo pegar pra mim, por favor.
-Ah, não.
-Poxa, Rafael, eu tô com essa roupa indecente, não posso ir assim!
-E eu ainda não tomei banho hoje.
-???

E lá fui eu, de roupão nesse calor, a louca.
...
Mas louca-louca só a minha vizinha, que sai de casa, também de roupão, vai ali no lixo do vizinho, tira uma garrafa vazia de refrigerante e volta pra casa.

terça-feira, 6 de fevereiro de 2007

Grey's Anatomy

Acho que eu comecei a chorar assim que vi a Izzie ali deitada no chão, sem conseguir levantar. E aí não parei mais.

Quando não tava chorando pelos diálogos, tava chorando porque Sony-fundo-do-poço resolveu inserir comerciais NO MEIO DAS CENAS.

Cara, eu esperei MESES por isso. Pra ver o Tom Hanks com aquela peruca num comercial de O Código da Vinci na Sky Premiere. Como se alguém ainda se importasse.

Morram, pessoas do Sony.

Este post contém um palavrão*. Se você prefere continuar me achando fofa, por favor, evite a leitura. ;)

Tem aquelas perguntas pras quais não existe resposta. Tipo quando alguém pergunta:
-Você tá estressada?

Sério, vou responder o que a isso? Não posso dizer nada, além de:
-Vaitomarnomeiodoseucu.

Sério, como é que me perguntar se eu estou estressada vai me ajudar? Vai me fazer uma massagem relaxante? Vai me pagar uma semana num resort na Bahia? Vai pagar minhas contas, passar minhas roupas? Não, né? Então não pergunta, porque é óbvio. Se eu tô com essa cara de estressada, é porque eu estou estressada. Não tá claro? A menos que eu tenha te avisado de um problema nos músculos faciais que me faz produzir uma expressão diferente da emoção que eu estou sentindo, do tipo rio quando estou zangada, faço beicinho quando estou muito feliz, bom, a menos que eu tenha te alertado sobre esse problema, é só olhar pra mim pra saber como anda o meu humor. Não pre-ci-sa perguntar.

Também tem outra resposta possível pra essa pergunta, mas envolve um pouco de esforço físico. Também vale jogar alguma coisa bem na testa de quem fez a pergunta, e dar a resposta que ela queria ouvir:
-Estava estressada. Agora tô calminha.


*porque eu só tenho essa cara de quem nunca fala palavrão. normalmente, com quem eu conheço, sou um moleque. é, eu sei, que chato pra mim. :/

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2007

Meu talento pra confeitaria se resume a isso: espalhar confeitos por cima do bolo.

Gente, minha avó tem muito TOC, isso só pode ser genético mesmo, cara. Ela olhou pro bolo e disse "hum, se fosse eu, ia separar por cores e distribuir em círculos. o círculo do branco, o círculo do rosa e o círculo do vermelho."

O bolo é super fácil, de liquidificador, olha que sem vergonha.

1 xícara de leite morno
3 ovos
4 colheres de margarina derretida
1 1/2 xícara e meio de chocolate em pó (dá pra fazer com Nescau numa boa, é só aumentar a quantidade pra umas 2 xícaras, com Toddy nunca tentei, mas é mais doce)
1 xícara de açúcar
2 xícaras de farinha de trigo
1 colher de sopa de fermento em pó

Bata todos os ingredientes no liquidificador, menos o fermento. Misture o fermento delicadamente com uma colher. Despeje em forma untada e asse por cerca de 40 minutos em forno médio (180°) pré-aquecido.
...
Perdi Grey's Anatomy, cara! A vida é isso mesmo, né? Faz um bolo que vaza pelo forno, deixa o bairro cheirando a queimado, no final dá tudo certo, mas perde-se Grey's Anatomy. Vou ficar acordada até as 3h assistindo. É meu presente.

Aê, entrou uma barata voando aqui no meu quarto.
Exatamente à meia-noite.

Só queria avisar.

domingo, 4 de fevereiro de 2007

Estivesse eu no Big Brother, meus votos seriam sempre baseados na higiene.

-Bial, vou votar na fulana porque ela cozinha com o cabelo solto em cima das panelas. Dois metros de cabelo, Bial, um fio vai parar no meu prato, que eu sei.

-Bial, vou votar no fulano porque ele é muito porco e eu tô com muito medo de pegar uma micose.

Não posso deixar de dar parabéns aos 30% da população mundial que fazem aniversário hoje:

Parabéns, tia Elaine.
Parabéns, tia Jaci.
Parabéns, tio Antônio, e desculpe por ter interrompido a sua festa há quase 24 anos, mas eu precisava nascer dia 5.
Parabéns, Mirela.
Parabéns, Flávia.

Pessoas que fazem aniversário dia 4 de fevereiro: você ainda vai conhecer uma.

Tá sendo um aniversário bem estranho. Ontem ganhei um presente lindo, que eu ainda não sei de onde vem. Depois uma amiga da minha mãe também me deu um presente.

Eu já tava pronta pra manda avisar que o universo tinha me confundido com outra Renata aquariana, quando minha mãe disse que vai trabalhar amanhã e eu vou ficar sem meu almoço de aniversariante.

-Pede comida chinesa.

sábado, 3 de fevereiro de 2007

Minha mãe passou a noite em claro acompanhando uma prova de resistência no Big Brother. Eu sei porque passei a noite dormindo picadinho por causa do barulho. Alguém lá começou a cantar no meio da noite e eu nunca mais dormi por mais de 1 hora, até as 6:30, quando acordei de vez pra ir trabalhar no sábado pela primeira vez em 2007.

De manhã minha mãe levantou, tomou um banho e foi pra cozinha.
Hoje tem um almoço aqui em casa e ela vai cozinhar pra umas 25 pessoas. Das saladas às sobremesas. Tudo no plural. Não existe, cara, não existe.
...
Morrendo de sono, arranquei o botão da minha calça, quando já tava pronta pra sair. Onde está essa força na hora de abrir vidros de palmito, me diz? Não dava tempo de costurar, nem de trocar de calça. Tive que procurar um alfinete.
...
Cheguei em casa e tinha um e-mail me dizendo que eu ia ganhar um presente lindo. Não sei de quem é, tô muito curiosa. E emocionada, não tava esperando presente nenhum, ainda mais um tão lindo.

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2007

Você já deve conhecer a Lucy, labrador da Karina. Ela se perdeu ontem, aproximadamente às 18:30 no bairro Vila Rezende em Piracicaba, SP, perto da Av. Dona Santina.

Lucy é preta e tem uma mancha branca no peito. Se você mora em Piracicaba ou conhece alguém que more, por favor, fique atento pra ver se ela não passa por você.

Qualquer informação, por favor, escrevam pra Karina neste e-mail.

Aqui tem mais fotos da Lucy.

Que o mundo é injusto a gente já sabe, né?

Meu avô caça um tamanduá e todo o reino animalia se volta contra mim.
The OC é cancelada na 4ª temporada, enquanto Charmed durou 8 temporadas, Smallville tá na 6ª e 7th Heaven, pelo que parece, nun-ca vai acabar. Imagina um mundo com 7th Heaven pra sempre. Várias gerações da família Camden com aquelas pérolas de pureza e sabedoria.
A senhora porquinha que foi na Oprah e usava a mesma esponja pra lavar a louça durante, sei lá, 1 ano, ganhou 4 mil dólares em roupas de cama e banho da Ralph Lauren. Enquanto eu, se muito MMartan.

Tudo isso eu consigo superar. Sou uma pessoa forte.

Mas por que, por que, se eu dei ordens expressas pra não fazerem isso, cortaram o topete da Hannah?

-Não sei, Renata, não sei.

Outro dia eu cheguei em casa e vi um vidro com um líquido e uma coisa estranha dentro, lá na entrada do prédio. Eu cheguei perto pra ver... e me pareceu uma garra, uma coisa peluda, com uma unha enorme. Enfim, uma coisa muito estranha.

Cheguei aqui em cima e perguntei pro meu pai o que era aquela coisa bizarra.

-Ah, é uma pata de tamanduá.
-Mas, hein?
-É uma pata de tamanduá que seu vô Zezé pegou.
-PAI, QUE COISA MACABRA! SOME COM AQUILO!


Quer dizer, eu super tô pagando por isso com essa perseguição de bichos que invadem o meu quarto. Descobri, né?

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2007

Volto a trabalhar hoje. Daqui a pouco.
Consegui vestir uma roupa que não me engorda, meu cabelo tá bom.

É um dia (quase) de sorte.